segunda-feira, 6 de dezembro de 2010

A nossa encantadora Natureza 12 – A vaca de raça Arouquesa

Andreia Dias

E porque não uma vaca? Uma vaca de raça autóctone, a Arouquesa…talvez por isso os naturais de Arouca, prefiram ser conhecidos como “Arouquenses” e não “Arouqueses”, embora ambas as designações estejam correctas. No entanto, não negam o orgulho que têm na raça e no turismo que os seus derivados gastronómicos trazem à região.

Sempre que falo destas vacas, remonto à infância, que não foi há muito tempo… relembro os piqueniques de Domingo com a família na Serra da Freita. Ar puro, águas saltitonas dos ribeiros, tilintar das campainhas das vacas e das cabras, e huumm… o cheirinho a bosta! O crepitar da carqueja em flor e os tapetes de urze…

É interessante como tipicamente ostentam belos conjuntos de campainhas e não os tradicionais badalos. Estes conjuntos de campainhas estão presos numa coleira de couro decorada com motivos variados e giríssimos!

São animais de pequeno porte e de corpulência mediana, dóceis mas enérgicos. Estão perfeitamente adaptados à serra e ao clima agreste. Faz parte do quotidiano da Serra da Freita vê-las saírem de manhã cedo dos currais para pastarem na serra e regressarem sozinhas a “casa” ao entardecer. Pachorrentas mas de uma independência extrema.

Estes animais de grande robustez física são explorados pela carne, leite e pelo trabalho de tracção na agricultura.

Refiro a sua existência na Serra da Freita, mas na realidade a área de dispersão é mais vasta (distritos de Viseu, Aveiro, Porto e Braga).


Que bom poder continuar a observar a Serra da Freita pintalgada destas simpáticas vacas, apesar dos inúmeros incêndios que fustigam anualmente todo o coberto vegetal destas zonas… são uns heróis, estes e outros animais, que nesta e em zonas semelhantes, procuram o tufinho de ervinha fresca que teima em brotar entre duas pedrinhas que rebolaram da lixiviação do solo após uma grande chuvada de Inverno. Luta vaquinha, luta!

9 comentários:

  1. Que lindo texto Andreia! E logo sobre a minha adorada Serra da Freita que eu conheço palmo a palmo, desde a minha juventude, idade em que ao escalar o monte S. Pedro Velho nos sentíamos, de verdade, a tocar no céu. Sou do tempo em que os cobertos das casas destas aldeias, como a da Mizarela (ou Mijarela)que se vê na foto, eram de colmo e xisto. O pouco vinho que ali se fazia era guardado em odres de pele de cabrito. As pessoas vestiam burel, e ninguém sabia, por exemplo, o que era uma banana. Só dali saíam uma vez ou outra para ir à feira ou às sortes (á inspecção). Quantas vezes por ali andei, no início da minha carreira de médico, a ver doentes e a fazer partos à luz da candeia e do petróleo. Ainda hoje, tantos anos passados, tenho imensos doentes oriundos dessas serranias e de outros contrafortes dessa maravilhosa Serra da Gralheira. E as vacas da minha juventude eram as mães e as avós destas, com o mesmo porte nobre e plácido que a solidão da serra lhes dá. Um beijinho, Andreia,pela ternura que imprimes nestes teus textos.

    ResponderEliminar
  2. Que inveja tenho de não ter vivido nesses tempos, que embora duros, ensinaram tão bem a valorizar as gentes da terra... Um beijinho enorme!

    ResponderEliminar
  3. Cá está a nossa maravilhosa Andreia com os seus magnifícos textos.Influenciam mais do que parece, vamos tomar uma decisão no estrolabio de fundo por termos ficado apaixonados pelo texto do batráquio da Andreia...:-)

    ResponderEliminar
  4. Que lindo texto! Até sinto o fresco desse ar puro. Um beijinho, Andreia :)

    ResponderEliminar
  5. Luís, ainda estou agarrada à barriga, a rir...
    Augusta, é só combinar a visita guiada...
    Um beijinho...

    ResponderEliminar
  6. Só se alugares um helicóptero, Andreia :)) O Adão diz que é preciso escalar montes. Também estou cheia de curiosidade de saber qual vai ser o papel do sapo.

    ResponderEliminar
  7. Qual sapo? Batráquio da Andreia!Aquele onde se esconde um principe que se anda a atirar à sapa do texto da Carla. Não te lembras desses amores?Olha, eu perdido de inveja não me esqueço...:-(

    ResponderEliminar
  8. Que história é essa? Não conheço.Ou não me lembro. Histórias de amor é contigo, Luís.

    ResponderEliminar
  9. Texto muito bonito. E o final é uma ternura.
    A nossa Serra ensina a ser poeta.
    É um fascínio tal, que nos faz ver "moínhos de vento".

    ResponderEliminar